Brasília: Magoado com a pressão por troca em pasta, César Borges vai deixar o PR

Foto: Blog do Anderson
Foto: Blog do Anderson

O ministro dos Portos, César Borges, vai deixar o Partido Republicano. Ele está magoado com a cúpula do partido, que exigiu sua demissão do Ministério dos Transportes em troca do apoio à reeleição de Dilma Rousseff. O ex-governador da Bahia já comunicou a decisão a aliados e agora deve formalizar a desfiliação da sigla. Borges foi realocado nos Portos como prêmio de consolação pelos serviços prestados em sua pasta original. Noticias desta segunda-feira (11) dão conta que ele deve permanecer no cargo na cota pessoal da presidente. Informações do Painel.


César Borges e Dilma juntos em Conquista

Foto: Blog do Anderson

DSC_0383-001

Depois do vereador Antônio Ricardo Pereira dos Santos (PSL), o Ricardo Babão, foi a vez do ex-senador e atual ministro dos Transportes, César Borges, investir pesado na comunicação visual em Vitória da Conquista. Diversos outdoors que começaram a serem veiculados no último final de semana, trazem o ministro ao lado da presidente Dilma Rousseff. O vereador Luciano Gomes, presidente municipal do Partido Republicano ficou de fora da propaganda.


“Se depender de mim eu farei”, diz César Borges sobre demandas para Conquista

Fotos: Blog do Anderson

O ministro dos Transportes da Presidência da República, o ex-senador e ex-governador da Bahia, César Borges, passou por Vitória da Conquista, nessa sexta-feira (26), onde embarcou num helicóptero da Força Aérea Brasileira, vindo de Barreiras rumo à Jequié onde estará vistoriado obras da Ferrovia Oeste Leste (FIOL). Na pista do Aeroporto Pedro Otacílio de Figueiredo, Borges recebeu uma comitiva conquistense, formada pelo vice-prefeito Joás Meira, os secretários Márcio Higino (Chefe de Gabinete Civil), Luís Alberto Selmman (Mobilidade Urbana), Roberto Carvalho (Engenheiro Municipal), Gildásio Silveira (Assessor Especial do Gabinete Civil), Nagib Barroso (Assessor Especial do Gabinete Civil), além dos vereadores Luciano Gomes (PR), Antônio Ricardo (PSL), Coriolano Moraes Neto (PT), que cobrou melhorias para a Capital do Sudoeste Baiano, principalmente para o quesito do Anel Rodoviário que diuturnamente vem registrando acidentes.

“Vou olhar com cuidado. Eu conheço essa questão antiga do contorno de Vitória da Conquista, sei que é uma demanda justa porque tem muitos acidentes e se perdem vidas humanas ai neste contorno de Conquista, nos entroncamentos com a BR-415, com as estradas estaduais, e o que eu puder fazer para atender Vitória da Conquista com certeza atenderei”, declarou Borges. O assunto já foi pauta de várias sessões especiais na Câmara Municipal, ação no Ministério Público por parte do Movimento Contra a Morte Prematura (MCMP) como também tema de diversas reuniões entre o prefeito Guilherme Menezes como também os deputados estaduais José Raimundo Fontes (PT) e Jean Fabrício Falcão (PCdoB), e o federal Waldenor Pereira (PT-BA). “Eu espero, se depender de mim eu farei”, respondeu César Borges quando indagado pelo Blog do Anderson se as demandas seriam atendidas dentro de sua gestão.


César Borges será ministro dos Transportes

Foto: Divulgação

O ex-governador da Bahia, ex-senador e atual vice-presidente do Banco do Brasil César Borges (PR) substituirá Paulo Sérgio Passos no comando do Ministério dos Transportes. Embora seja um nome da cota pessoal da presidente Dilma Rousseff, o que desagrada um pouco alguns integrantes do PR na Câmara, que queriam um deputado como ministro, a executiva nacional da legenda não fez restrições a Borges. “O importante é o Ministério ficar com o partido”, afirmou um dos líderes nacionais da legenda ao iG nesta segunda-feira (1º). A avaliação é de que Transportes volta, agora, para um quadro político do partido. Borges é presidente do PR na Bahia. Passos era contestado pelas lideranças por ser membro de um quadro técnico da legenda. A Secretaria de Comunicação Social não informou a data da posse do novo ministro.


Dilma aponta César Borges como favorito para ser o novo Ministro dos Transporte

Foto: Divulgação

A negociação de Dilma Rousseff com o Partido Republicano para a escolha do novo ministro dos Transportes provocou um racha no partido aliado. A preferência da presidente pelo ex-senador baiano e hoje vice-presidente do Banco do Brasil César Borges contraria os deputados federais, que não se dizem representados por ele, apesar de compartilharem a legenda. Em público, o presidente do PR, senador Alfredo Nascimento (AM), nega já ter tratado de indicações com Dilma. Mesmo assim, diz apoiar a sondagem feita pelo governo para emplacar Borges no cargo. “É um excelente nome”, disse ele ao Estadão em matéria publicada na edição desta sexta-feira (29).


PR de César Borges vai com Guilherme Menezes

Foto: Blog do Anderson

Participando dos festejos juninos no município de Jequié, no último final de semana, o ex-senador e presidente do Partido da República (PR) na Bahia, César Borges, falou sobre a legenda e a coligação em Vitória da Conquista. Em entrevista ao Tribuna da Conquista, Borges garantiu que o PR vai marchar com o PT na cidade, pois “havia uma disputa dentro do próprio PR, entretanto o deputado João Carlos Bacelar foi votado em Vitória da Conquista”. Além do mais, continua o vice-presidente do Banco do Brasil, “o vereador Luciano estava no PR. Retirar o PR dele significava uma cassação do mandato popular. Luciano tinha tomado uma posição de apoio à candidatura de Guilherme Menezes e após todas as avaliações que tivemos que fazer, aceitei e estou mantendo o PR como ele sempre esteve. Na mão do vereador Luciano e do deputado João Carlos Bacelar”. Sobre as candidaturas a prefeito na cidade o ex-governador afirmou: “tenho consideração pelos outros grupos políticos, inclusive pelo Herzem Gusmão, mas quando você coloca na balança todos esses pontos então devemos deixar os candidatos serem submetido nas urnas democraticamente”.


Três políticos e a mesma opinião

As decisões deliberadas pelo vereador Luciano Gomes, presidente do Partido Republicano (PR) em Vitória da Conquista não foram bem recebidas pelo radialista Herzem Gusmão, pré-candidato a prefeito de Vitória da Conquista pelo PMDB. Mas Herzem não deixou isso de graça e foi cobrar diretamente aos cardeais do PR Baiano, que pelo menos até agora dizem que o parlamentar conquistense errou por ter antecipado suas decisões sem consulta-los. Luciano, que era oposição virou de uma hora para outra um dos fortes aliados do prefeito Guilherme Menezes (PT). Em entrevista exibida no programa Resenha Geral (Rádio Clube de Conquista) dessa segunda-feira (31), o ex-senador César Borges, presidente estadual do PR lamentou a decisão prematura de Gomes. “Eu realmente tomei como surpresa, pois não fui comunicado pelo vereador da posição. Eu achei precipitada e prematura a posição já que não estamos ainda no momento de definições para a eleição municipal, estamos sim em momento de conversação política num processo que só vai desaguar nas convenções municipais que nós vamos ter para as escolhas dos candidatos a serem apoiados ou lançarem que se darão no próximo ano ainda. Então acho que foi uma precipitação, cheguei a dizer isso ao vereador. O PR é um partido democrático, respeita as posições, mas também tem e zela pela hierarquia partidária, pelas decisões partidárias. Então vamos amadurecer um pouco esse processo e vermos daqui para diante de que forma poderemos conduzir da melhor maneira a atender o desejo do povo de Conquista, onde queremos estar, com o povo de Conquista e o PR estará ao lado dele”, disse César Borges. A declaração de Borges está coerente com as ideias de Joel do Caminhão. Ambos afirmam que estão ao lado do povo, e para Joel estar ao lado do povo é estar com Guilherme Menezes.


Cesár Borges será diretor do DNIT

Foto: Blog do Anderson

Na tentativa de se aproximar mais do Congresso e garantir a aprovação de projetos importantes para o governo, como a medida provisória que cria um regime diferenciado de licitação para as obras da Copa de 2014 e da Olimpíada de 2016, a presidente Dilma Rousseff ativou o seu balcão de negócios. Um arsenal que envolve agilidade na distribuição de cargos, rapapés com líderes partidários – rituais que até então a presidente se recusava a incorporar – e liberação de emendas parlamentares. Para agradar ao PSB, Dilma nomeou ontem Marcelo Dourado diretor-superintendente da recém-criada Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) e Cleber Ávila Ferreira diretor de Gestão e de Fundos da autarquia. Aos senadores do PR, com os quais almoçou ontem no Palácio da Alvorada, Dilma prometeu que dará uma diretoria do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) ao ex-senador Cesar Borges, um dos líderes do partido na Bahia. Informações do Estadão.


Jequié: Mãe de Cesár Borges é sepultada

Foto: Zenilton Meira

Morta na noite desta segunda-feira (4), o corpo de Dona Juju, como era conhecida Judith Rabello Borges, mãe do ex-senador César Borges, foi velado no Velatorio Pax Internacional, em Jequié, sua terra natal. O sepultamento foi realizado na mesma cidade, no Cemitério São João Batista, na manhã desta terça-feira (5).


Luciano Gomes lamenta derrota de César Borges

 O vereador Luciano Gomes, presidente do Partido Republicano (PR) em Vitória da Conquista, esteve à frente da campanha do senador César Borges no município conquistense. Gomes vivenciou momentos de felicidade durante a campanha eleitoral, quando apontava o seu ídolo, César Borges (PR), como eleito ao cargo de Senador. Mas nas urnas os números inverteram. Em seu discurso na Câmara Municipal nesta quarta-feira (6), o parlamentar lamentou a derrota do ex-carlista. Na Capital do Sudoeste baiano César também perdeu, e feio. Ele ficou na quarta posição, alcançando pouco menos de 32 mil votos, atrás de Walter Pinheiro (PT) que conseguiu o dobro de César, 64.151 votos, Lídice (PSB) ficou com 62.695, José Carlos Aleluia (DEM), conquistou 38.394 eleitores conquistenses.


IBOPE: César e Lídice na frente

O Ibope também divulgou os números para as eleições ao Senado. Com 38%das intenções de voto, o senador César Borges (PR) é o primeiro. Logo em seguida, na disputa pela segunda cadeira da Bahia no Senado estão Lídice da Mata (PSB), com 25%, e Walter Pinheiro (PT), com 23% – tecnicamente empatados. José Ronaldo recebeu 10% das menções e José Carlos Aleluia outros 7%.  Com 4%, aparece o antigo vice-prefeito Edvaldo Brito (PTB), seguido por Carlos Santana (PCB) e Edson Duarte (PV), com 3% cada. Os dois candidatos do PSOL, ZIlmar e França, aparecem com 2% e 1% respectivamente. A pesquisa está regitrada no TRE-BA com o número 26.769/2010.


Onde está o futuro de César?

“No mínimo é bastante curiosa, a declaração do meu estimado senador César Borges (PR), quando diz que o povo da Bahia não quer passado, numa alusão ao candidato democrata ao governo, Paulo Souto (DEM), e nem presente, referindo-se ao governador Jaques Wagner (PT), na tentativa de insinuar que o desejo é de futuro e o futuro é seu atual aliado Geddel Vieira Lima (PMDB),”, comenta o deputado estadual Heraldo Rocha (DEM).

Para o líder da oposição na Assembléia Legislativa, que é médico e, durante muitos anos, teve o ex-governador como correligionário, a declaração revela que César Borges está sofrendo de amnésia e contraria a história de um político, com formação acadêmica em engenharia e que sempre primou pela lógica em seus atos e pronunciamentos.

“César elegeu-se deputado, governador e senador sempre ao lado e com o apoio do grupo que ele hoje associa ao passado. Pela lógica, ele também é passado. E, se está com Geddel, o peemedebista, por conseguinte, acaba sendo contagiado pelo passado. Afinal, onde está o futuro de César?”, indaga Heraldo Rocha.


Os caminhos de César

Levi Vasconcelos, A Tarde

César Borges só não estará na chapa do governador Jaques Wagner se não quiser.

Em conversas com aliados, Wagner tem reafirmado que essa é a sua disposição, apesar das notórias reações de alguns segmentos do PT. E César, o que acha? – Imagino que o governador Jaques Wagner, até pelo cargo que ocupa, é também o líder maior do seu partido, o PT.

César admite que tem conversado com Wagner. No caso de uma aliança com o governo, pondera dois aspectos a resolver:

1 – Gostaria de ter conforto onde estiver.

2 – Quer uma coligação nas eleições proporcionais que contemple os deputados do seu partido, o PR (o famoso chapão).

Entenda-se por ‘conforto’ tranquilidade.

César não diz, mas está implícito, que teme enfrentar hostilidades dos seus possíveis neoaliados, ou mesmo o boicote.

Admite que também conversa com Geddel (sempre a alertá-lo que o pretendido conforto, com o PT, ele jamais terá) e com Paulo Souto. Em síntese, César está num dilema.